Plano de Biosseguridade em Granjas Suínas

O termo biosseguridade pode ser definido como um conjunto de medidas e ações com o objetivo preventivo de reduzir ou eliminar a propagação de doenças e agentes patogênicos em um local. Dessa forma, o plano de biosseguridade, na medicina veterinária, inclui análises desde a estrutura da granja, manejo dos animais até o treinamento dos funcionários do local de maneira a elevar o bem estar animal e também a produtividade da granja, sendo fundamental para a saúde pública. Alguns exemplos dessas ações são a vacinação dos animais, higienização do local, cuidados com entrada e saída de animais e pessoas, atenção ao armazenamento e carregamento da alimentação dos animais, especificação em relação ao destino de carcaças e descarte e reciclagem de produtos utilizados na granja. Tais medidas de biosseguridade medem toda a cadeia produtiva para minimizar os riscos de introdução de patógenos para a granja e para as fazendas ao redor.

No contexto da suinocultura alguns patógenos como Brachyspira spp, Influenza e PEDv (Diarreia Epidêmica dos Suínos) devem ser considerados no momento da implementação de medidas de biosseguridade pois, principalmente a PEDv já causou enormes prejuízos econômicos, com estimativa de morte de cinco milhões de suínos nos Estados Unidos em 2013, e também está presente na realidade brasileira. Para a prevenção de doenças é importante o conhecimento em relação à epidemiologia das mesmas, ou seja, a propagação, via de transmissão, evolução e outros determinantes para a disseminação e desenvolvimento das doenças e assim atuar sobre esses fatores.

De modo a abranger a prevenção em relação ao desenvolvimento de doenças, higiene da granja, manejo correto e outros tópicos, podemos dividir as providências em medidas externas e internas de biosseguridade e aqui vamos apresentar algumas delas.

Em relação às medidas externas temos a introdução de substitutos, quarentenas e uso de sêmen. Como no sistema de produção animal, e com foco na suinocultura, é comum a substituição de matrizes para manter a qualidade desejada da granja, tal processo pode ser feito com animais já provenientes da granja ou a introdução de sêmen de outras granjas para melhoramento genético do plantel. Dessa forma, é fundamental a análise da saúde dos animais e da análise de sêmen antes da entrada na granja para evitar a entrada de patógenos e manutenção do sistema imune dos animais. Outra medida é a quarentena que deve ser realizada de maneira separada durante um período, o qual é baseado no desenvolvimento de doenças, duração do período de contaminação e estabelecimento de diagnóstico, com a finalidade de introdução de novos animais para a observação da saúde dos novos indivíduos sem a conexão direta e longe do rebanho principal e caso haja alguma alteração durante o período estabelecido pelo médico veterinário, é possível realizar intervenções para o restabelecimento da saúde dos animais.


Fonte: https://www.ourofinosaudeanimal.com/ourofinoemcampo/categoria/artigos/biosseguridade/


Outra medida externa é a entrada e saída de pessoas e veículos, em que também podem ser responsáveis pela introdução de novas doenças à granja pelo trânsito de funcionários, veterinários, e outras pessoas da equipe em diversos locais diferentes durante a rotina. Dessa forma, é interessante o controle das visitas à granja com restrições rígidas como por exemplo para a entrada e saída de pessoas, áreas limpas e áreas sujas, comportamento no local e áreas de higiene. Já para os veículos, estacionamentos fora do local principal da granja com administração e identificação dos caminhões e carros particulares são importantes.

Já em relação às medidas internas, podemos citar o manejo dos animais e limpeza e desinfecção da granja. O manejo dos animais deve ser feito a separar os animais conforme idade e orientação do médico veterinário, com o sistema all-in/all-out, em que a entrada e saída dos animais deve ser realizada em conjunto de cada lote, ou seja, caso seja necessário remanejar os animais para outro local, todos devem ir juntos, e assim também para a entrada dos mesmos. Esse sistema também pode ser utilizado para a limpeza e desinfecção dos locais, sendo possível observar o estado do local antes e depois da instalação dos animais e com a correta higienização e ventilação, patógenos podem ser eliminados para a manutenção da saúde do plantel.

Como conclusão, temos diversas medidas que podemos realizar para a manutenção desde a higiene da granja, como manejo dos animais e informações para as pessoas que visitam a propriedade para elevar a saúde dos animais e evitar perdas econômicas à produção.


REFERÊNCIAS

ALARCÓN, Laura et al. Biosecurity in pig farms: a review. Porcine Health Management, [s. l.], v. 7, ed. 5, 2021. DOI https://doi.org/10.1186/s40813-021-00202-5. Disponível em: https://porcinehealthmanagement.biomedcentral.com/articles/10.1186/s40813-020-00181-z. Acesso em: 29 ago. 2021.


PINHEIRO, JULIANA GUERRA et al. Biosseguridade. In: OUROFINO SAÚDE ANIMAL et al. Biosseguridade. [S. l.], 2014. Disponível em: https://www.ourofinosaudeanimal.com/ourofinoemcampo/categoria/artigos/biosseguridade/. Acesso em: 29 ago. 2021.


Posts Recentes