Babesiose Canina e sua Importância

A preocupação com a saúde animal, principalmente voltada ao mundo dos pets têm cada vez mostrado sua importância e relevância na clínica veterinária de pequenos animais. Dentre as diversas doenças na clínica veterinária, muitas são decorrentes de parasitas como carrapatos, pulgas e piolhos, sendo ectoparasitas expressivos em ambientes de climas temperados e ambientes urbanos. Aqui vamos destacar a Babesiose canina, conhecida por “doença do carrapato”, a qual é a hemoparasitose mais comum no Brasil, sendo comum entre cães adultos e mais severo em filhotes, imunossuprimidos ou cães acometidos por outros patógenos, podendo provocar casos graves e até morte.

A Babesiose é uma doença parasitária, de distribuição mundial, que acomete espécies domésticas e silvestre, podendo infectar até seres humanos, tendo potencial zoonótico. No Brasil, sua prevalência e intensidade têm sido crescente nos cães do país, trazendo ainda mais sua importância na clínica de pequenos animais. Provocada por hematozoários do gênero Babesia, sendo os principais a Babesia canis e a Babesia gibsoni. Sua transmissão se dá pelo carrapato R. sanguineus sendo caracterizado como o hospedeiro intermediário pois, após se hospedar no hospedeiro definitivo, neste caso os cães, os parasitas são capazes de se reproduzir através da invasão dos glóbulos vermelhos do cão. Outra transmissão recorrente é através de transfusões sanguíneas por meio de sangue contaminado de pacientes infectados para animais saudáveis.

Uma vez que o carrapato contaminado esteja em contato com a pele do cão, ele se aloja nos pelos do animal de modo a se alimentar com o sangue do cão para sua sobrevivência e então libera os protozoários na corrente sanguínea do animal, afetando principalmente os glóbulos vermelhos, e desta forma, a Babesiose se inicia.


Fonte: www.canaldopet.ig.com.br/cuidados/saude/2017-11-28/babesiose-canina.html


Por realizar a invasão dos glóbulos vermelhos, os principais sintomas da doença em animais acometidos são anemia e liberação de hemoglobina, o que leva a uma sobrecarga ao fígado do animal, podendo também levar a casos de icterícia e congestão esplênica (do baço). Além disso, existem três formas clínicas da doença, sendo elas a hiperaguda, aguda e crônica. A primeira forma se caracteriza pela alta carga parasitária principalmente em animais recém-nascidos e filhotes, podendo apresentar choque com hipotermia (diminuição de temperatura corporal), hipóxia tissular (falta de oxigênio nos tecidos) e outras lesões vasculares. A segunda forma é a aguda, sendo o estado mais comum e têm como sintoma principal a anemia hemolítica, onde há severa destruição dos glóbulos vermelhos, mas também mucosas pálidas e icterícia. Com o agravamento da doença, é dada a terceira forma da doença, sendo comum quando o animal já está infectado a um certo tempo. Os sintomas nesta última forma são mais nítidos e intensos podendo ocorrer sintomas neurológicos como apatia ou agressividade, paralisia, ataxia e desequilíbrio. Além disso, é possível ocorrer comprometimento dos órgãos pela intensidade da hemólise (destruição dos glóbulos vermelhos), características do hemoparasita e susceptibilidade do hospedeiro.

O diagnóstico para a doença é realizado pela presença de protozoários no interior dos glóbulos vermelhos, através de exames laboratoriais como esfregaços sanguíneos, ELISA, imunofluorescência indireta, sorológico, sendo possível visualizar e diferenciar animais doentes e animais que já obtiveram a doença referente a uma infecção precedente. E o tratamento deve ser realizado sob acompanhamento de um médico veterinário.


Fonte: www.canaldopet.ig.com.br/cuidados/saude/2017-11-28/babesiose-canina.html


A prevenção da doença se dá pelo controle do vetor, ou seja, do carrapato, sendo essencial a prevenção por meio de limpezas regulares nos ambientes em que o animal convive, prestando atenção caso encontre algum parasita nos pelos do seu animal, sempre sob a supervisão de um médico veterinário para eventuais consultas e prevenção feita de maneira correta e eficaz.


Bibliografia:

CANAL DO PET. Babesiose é uma doença séria e que pode matar o cachorro; saiba mais. Disponível em: https://canaldopet.ig.com.br/cuidados/saude/2017-11-28/babesiose-canina.html. Acesso em: 14 abr. 2021.

CASTRO, V. V. et al. Molecular prevalence and factors associated with Babesia vogeli infection in dogs in the Cerrado Mato-Grossense region of Brazil. Ciência Rural, Santa Maria, v. 50, n. 2, p. 1-6, abr./2021. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cr/v50n2/1678-4596-cr-50-02-e20190389.pdf. Acesso em: 14 abr. 2021.

DIAS, V. A. C. M; FERREIRA, F. L. A. Babesiose canina: Revisão. PUBVET, Sergipe, v. 10, n. 12, p. 886-888, dez./2016. Disponível em: http://www.pubvet.com.br/uploads/bad86087587022293545beb6419d16c9.pdf. Acesso em: 14 abr. 2021.

SCHERER, Mariane; MERGENER, Michelle. PREVALÊNCIA DE HEMOCITOZOÁRIOS EM CANINOS DE MUNICÍPIOS DO VALE DO TAQUARI COM FOCO EM LAJEADO. REVISTA DESTAQUES ACADÊMICOS, RS , v. 6, n. 3, p. 1-7, jan./2014. Disponível em: http://univates.br/revistas/index.php/destaques/article/viewFile/430/422. Acesso em: 14 abr. 2021.

Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square