Ascensão da carne Premium no Brasil

July 24, 2020

    O consumidor brasileiro está ficando cada vez mais exigente quando se trata do consumo de carnes. Mesmo com a crise econômica enfrentada recentemente, a procura por cortes cárneos com qualidade e características superiores não diminuiu. Este comportamento abre espaço para pecuaristas mais especializados que destinam sua produção à carnes nobres. Estima-se que este mercado seja de mais de 200 mil toneladas/ano; considerando que apenas uma pequena parte do consumo das classes A e B, embora saiba-se que a classe C também consome esses produtos em ocasiões especiais.

    Antigamente, as carnes se dividiam em “carne de primeira” e “carne de segunda”, porém esta definição não é mais utilizada. Se dizia também que as peças designadas como nobres estavam somente no quarto traseiro de bovinos. Porém, atualmente as carnes premium são aquelas mais saborosas, suculentas e macias e podem sim estar no quarto dianteiro dos animais. Um estudo classificou os tipos de carne como; carne ingrediente, carne culinária e carne gourmet. Sendo a ingrediente (picados, recheios, moídos), culinária (bife fino, fatiados, meat loaf, roast beef) e gourmet (steak, bife alto, olho do bife).
    Além do consumidor brasileiro, a indústria de carne bovina brasileira também assumiu o desafio de ampliar mercados para a carne premium, já que o país ainda é visto como um fornecedor de carnes ingrediente. Quando se fala em carne premium ou gourmet, pensam na Argentina, Austrália ou Uruguai; dessa maneira, o Brasil vem trabalhando para que seu nome também seja reconhecido nessa lista. Para isso, uma das medidas já tomadas é a entrega da carne premium brasileira para mercados e restaurantes da Europa, Ásia e Oriente Médio, com selo do programa Brazilian Beef na embalagem.

Vale ressaltar também a diferença entre carnes especiais e carnes premium. Carnes especiais são cortes de carne bovina que não estão usualmente inseridos no dia a dia do consumidor brasileiro e geralmente são comuns em outros países como, Estados Unidos e Argentina; exemplos, T-Bone, Ancho e Brisket. Já as carnes premium, são todos os cortes de carne bovina, de qualquer parte do animal (traseiro ou dianteiro) que seja proveniente de um método de criação diferenciado, agregando benefícios à saúde humana, ao meio ambiente ou ao produto final, proporcionando diferenças na percepção e no paladar do consumidor.
    Um dos exemplos de carne premium seria a carne orgânica. Segundo a World Wildlife Fund (WWF) a carne orgânica “é aquela carne produzida a partir de um sistema produtivo ambientalmente correto, socialmente justo e economicamente viável. É um alimento produzido isento de resíduos químicos, pois a carne é produzida da maneira mais natural possível, com os animais sendo tratados principalmente com medicamentos fitoterápicos e homeopáticos, vacinados e alimentados com pastos isentos de agrotóxicos.”
    Este mercado de carnes selecionadas pode ser caracterizado como: promissor, concentrado, pouco desenvolvido e receptivo. Promissor, pois apesar de representar 2% da carne comercializada no Brasil, tem crescido de maneira acelerada nos últimos anos. Concentrado, já que 90% da carne premium produzida vai para churrascarias e steak houses, que dão preferências às raças britânicas e demandam cortes grill de alto padrão; sendo os 10% restantes vendidos diretamente ao consumidor, em supermercados ou açougues de nova geração. Pouco desenvolvido, pois o consumidor ainda não tem percepção clara dos níveis de qualidade e diferenças de sabor, maciez, textura e apresentação dos produtos. E receptivo, cresce cada vez mais o número de consumidores dispostos a pagar mais pela carne premium; esses consumidores são exigentes, buscam novos cortes e informações sobre origem, preparo e características do produto.
    Para iniciar a produção de carnes nobres, sugere-se ter animais superiores e com qualidade imprescindível; associado a genética é fundamental que a nutrição e o manejo estejam adequados. Quanto a genética deve-se trabalhar com raças que possuem potencial de deposição de gordura intramuscular, além de maior precocidade e conformação carniceira; um bom exemplo é a raça Angus. Com a demanda crescente por carnes nobres, muitos pecuaristas estão utilizando a inseminação artificial como forma de maximizar o nascimento de animais. Dessa maneira, o Canadá é o segundo país que mais envia sêmen para o Brasil, especialmente de Angus, e por ser referência em produção da raça, comitivas brasileiras buscam na genética dos rebanhos canadenses um ponto de referência para melhorar o processo de produção no país.
    Para a alimentação deve-se realizar um bom planejamento nutricional para que os animais possam ser abatidos jovens e com bom grau de terminação. E por fim, o manejo e as práticas de bem-estar animal são de suma importância, já que animais estressados produzem carne dura e de coloração escura, deixando de serem caracterizados como carnes premium. Como dito anteriormente um dos principais atributos relacionados a carne de qualidade é o marmoreio, que se trata da gordura intramuscular, entremeada na carne e entre as fibras; sendo que quando em contato

com calor derretem, sendo responsáveis pela suculência, maciez e sabor. Idade, peso, manejo, nutrição e principalmente raça do animal influenciam no desenvolvimento dessa gordura.
    Os animais que fornecem carnes nobres apresentam valor agregado maior no frigorífico; dessa maneira, os produtores já sabem exatamente do que do frigorífico precisa, pois se estiver fora do padrão a carne provavelmente não será aproveitada. Além disso, nada adianta produzir um animal de excelente qualidade, mas entregá-lo a uma indústria que não possui capacidade de produzir este produto. É aí que entram os programas de qualidade de carne, como o Carne Angus Certificada; esses programas diferenciam a produção e agregam valor a todas as etapas da cadeia produtiva, desde o produtor dos animais até o varejo. É um meio que traz inúmeros benefícios, para produtores, devido a maior remuneração; frigoríficos, colocam carne de qualidade no mercado; e aos consumidores, que podem degustar de carnes premium de qualidade e procedência conhecida.
    O brasil vem investindo em técnicas para aumentar a produção de carne premium, uma delas se trata do programa de multiplicação da genética do gado akaushi, de origem japonesa, cuja carne é de altíssima qualidade devido ao alto grau de marmoreio e características únicas de sabor e suculência. Além disso, a raça taurina é capaz de produzir uma carne muito saudável, com elevado índice de ácido oleico (ômega 9). Em 2018, a empresa norte-americana Heartbrand Beef tinha planos para inaugurar a primeira indústria própria de abate e industrialização da carne akaushi em Estreito, Maranhão; sendo a produção quase toda direcionada ao mercado externo.
    Com a maior demanda por carnes nobres, assistimos o surgimento de marcas responsáveis pela produção desse produto e este surgimento é um indício de que o consumidor busca alternativas às carnes comuns, ou seja, cada vez mais procura cortes com maior qualidade, maciez e sabor. É o mercado mostrando o caminho para onde a produção premium deve seguir.

 

                  Fonte:https://pastoextraordinario.com.br/carnes-premium-nicho-ou-nova-realidade/

 

 

 

REFERÊNCIAS


BEEFPOINT, Equipe. Brasil assume desafio de ampliar mercados para carne premium. 2019. Disponível em: <https://www.beefpoint.com.br/brasil-assume-desafio-de-ampliar-mercados-para-carne-premium/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


BEEFPOINT, Equipe. Brasil multiplica genética do gado akaushi. 2019. Disponível em: <https://www.beefpoint.com.br/brasil-multiplica-genetica-do-gado-akaushi/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


BEEFPOINT, Equipe. O que o Canadá tem a contribuir com o mercado de carne Premium no Brasil. 2019. Disponível em: <https://www.beefpoint.com.br/o-que-o-canada-tem-a-contribuir-com-o-mercado-de-carne-premium-no-brasil/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


CARNE, Redação Tecno. Conquiste mais consumidores investindo em cortes de carne nobre. 2019. Disponível em: <https://digital.tecnocarne.com.br/conquiste-mais-consumidores-investindo-em-cortes-de-carne-nobre/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


FORMIGONI, Ivan. Carne premium. Estudo revela os diferenciais e expectativa do consumidor! 2019. Disponível em: <http://www.foodnewsoficial.com.br/mercado/carne- remium/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


FRANCO, Maristela. Fábrica de carne premium – Parte V – Perfil do mercado. 2019. Disponível em: <https://www.portaldbo.com.br/fabrica-de-carne-premium-parte-v-perfil-do-mercado/>. Acesso em: 10 jul. 2019.


MARTINO, Paula. Carnes Premium x Carnes Especiais: entenda as diferenças. 2019. Disponível em: <https://www.carnecomciencia.com.br/carnes-especiais/>. Acesso em: 10 jul. 2019.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Av. Duque de Caxias Norte, 225 - Pirassununga - SP
Universidade de São Paulo - Campus Fernando Costa

E-mail: emvepjr@emvepjr.com

Telefone: (19) 3565-4003 | (19) 99140-0094

Patrocinador
Parceira