Diarreia Viral Bovina na pecuária leiteira: Qual o impacto?

            A diarreia viral bovina (BVD) é considerada uma das principais viroses de bovinos. Esta doença gera grandes impactos econômicos por ocasionar perdas produtivas e reprodutivas no rebanho.

            A transmissão do vírus pode ocorrer antes ou após o nascimento. O vírus, na vaca gestante, pode atravessar a placenta e atingir o feto. Após o nascimento ele pode atingir o animal de diversas formas: pelo contato direto com saliva, urina, fezes, leite e sêmen de outro animal infectado; ou pelo contato com equipamentos e materiais usados no manejo por um animal doente, como cabrestos, agulhas, pipetas de inseminação artificial (IA), dentre outras.

            Os sintomas da diarreia viral bovina variam de imperceptíveis à quadros graves. Em animais saudáveis e com sistema imune competente, os sintomas mais comuns são depressão, febre e diarreia leve. Apesar dos sintomas brandos e transitórios, tais mudanças na saúde do animal podem acarretar em grandes perdas produtivas e de desempenho.  Vacas prenhes, com sistema imune debilitado, quando infectadas podem passar por quadros de abortamento, falha de concepção, reabsorção embrionária, natimortos, malformações fetais e até infertilidade. Um dos principais problemas deste tipo de transmissão é o fato de que o bezerro que nasce infectado, por ainda estar em desenvolvimento, não apresenta uma resposta de defesa contra o vírus. Por conta disto, os testes realizados para diagnosticar o vírus terão resultados negativos. O bezerro então transmite grandes quantidades de partículas virais em suas secreções e excreções sem suspeita de que esteja infectado.

Os bezerros que nascem infectados podem passar por toda vida despercebidos ou manifestar o quadro crônico chamado de Doença das Mucosas, tendo como principais sintomas a depressão profunda, febre (40º a 42ºC), anorexia, estase ruminal, desidratação severa e diarreia profusa e aquosa.

            As principais medidas para aumentar a imunidade dos animais e diminuir a ocorrência desta doença é a adequada colostragem e a vacinação. Recomenda-se colostrar bezerras com colostro oriundo de vacas anteriormente vacinadas, com o objetivo de garantir a defesa para os primeiros meses de vida do bezerro; Vacinar bezerras com 2 e 3 meses de idade e re-vacinar aos seis meses de idade. Bezerras recém-nascidas (menos de 30 dias de vida) não respondem às vacinas porque os anticorpos das mães, adquiridos pela ingestão do colostro, bloqueiam a resposta das bezerras às vacinas injetáveis; Vacinar novilhas aos 60 e 30 dias da inseminação artificial para estimular a produção de anticorpos, fundamentais para a prevenção da infecção fetal; Recomenda-se também a vacinação das vacas 30 dias após a inseminação artificial;

            Portanto, deve-se sempre atentar para suas principais características e sinais clínicos, pois através destes, conseguiremos diagnosticar e saber quais medidas são possíveis de serem tomadas para melhorar a saúde, produtividade e desempenho do rebanho.

 

 

Referências:

 

GOMES. VIVIANI., Diarreia viral bovina - Qual o verdadeiro impacto na pecuária leiteira?. Revista Leite Integral. 2005

 

SILVA, Marcos Vinícius Mendes., NOGUEIRA, José Luiz1., JUNIOR, Valdir Pavanelo., FERNANDES, Renata Avancini. Diarréia Viral Bovina: Patogenia e Diagnósticos - Revisão de Literatura. Revista científica eletrônica de Medicina Veterinária.2011

 

Figura Diarreia Viral Bovina. Equipe Revista Veterinária. 2017

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

December 28, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Av. Duque de Caxias Norte, 225 - Pirassununga - SP
Universidade de São Paulo - Campus Fernando Costa

E-mail: emvepjr@emvepjr.com

Telefone: (19)99140-0094

Patrocinador